Mercado imobiliário
30.mar.2016
Tamanho da Fonte: A- | A | A+

Os bons ventos começam a soprar novamente?

Caixa aumenta o limite de financiamento imóveis usados

Imagem Os bons ventos começam a soprar novamente?
Logo Copiar Blog Notícia
A economia não vai bem, a política não vai bem, o mercado imobiliário não vai bem, mas algo de bom se vê não muito longe: os bons ventos, ao que parece, podem, sim, soprar novamente. Se não vejamos. 

A primeira boa notícia em semanas. A Caixa Econômica Federal voltou atrás e aumentou o limite do financiamento para imóveis usados. A resolução foi divulgada dia 8 de marco, Dia Internacional da Mulher. Se a data foi escolhida a dedo, não se sabe. O bom é que não só as mulheres receberam o presente, mas toda a população. As novas medidas já estão em vigor.

No ano passado, o banco havia decidido diminuir o teto, que antes era de 80% do valor das unidades usadas. Passou para 50% e agora chega a 70%. Para funcionários públicos, o limite passou a 80%. O prazo máximo de financiamento agora é de 30 anos.

As novas taxas variam conforme o grau de relacionamento do cliente com o banco. Para aqueles que não são correntista, a taxa subiu de 9,9% para 11,22% no SFH e 11,50% para 12,50% no SFI. Já os trabalhadores privados que têm relacionamento com a Caixa mais conta-salário, as taxas passaram de 9,50% para 10,50% no SFH e de 11% para 11,50% no SFI.
































A Caixa também vai reabrir o financiamento imobiliário para o segundo imóvel com as mesmas condições do financiamento do primeiro imóvel. Ou seja, o comprador poderá ter dois imóveis financiados ao mesmo tempo. 

Em um momento em que o mercado está retraído, a notícia veio como uma lufada boa. Ainda mais se levarmos em conta secamente os números divulgados pelo Secovi-SP. De acordo com a entidade, em 2015, comparado com o ano anterior, houve retração de 7% no total de unidades vendidas e queda de 37% nos lançamentos. Olhando assim, os números não são bons, mas espere caro leitor.

Se fizermos o exercício de destrinchar o balanço, encontraremos números bons, seja por região, seja por tipo de unidade. Ou seja, vamos fazer uma regra de três com essas informações. A Caixa aumenta o limite de financiamento para usados em 70% e 80% e também permite o financiamento de um segundo imóvel (antes disso, os bancos privados entraram com força no espaço que a Caixa deixou e deram novo ânimo ao mercado); em 2015, as vendas caem 7% e os lançamentos, 37%. Fazendo o cruzamento, o resultado final pode ser interessante.

Agentes que atuam no setor no dia a dia têm nos relatado que o mercado não está parado. Pode estar morno, retraído, mas não parado. Os negócios acontecem. De acordo com o Sindicato da Habitação - Secovi, as vendas não foram de todo o ruim, afinal 7%, em um ano de economia instável, não é desesperador. Os 37% de queda em lançamentos também podem ser o que se esperava, visto que o mercado tinha muito estoque para trabalhar e é sempre melhor contar com o certo, contra o duvidoso. Ou seja, apostar nos produtos já prontos, de mais rápida negociação, fazer um bom caixa e, aí sim, retomar os lançamentos.

Claro, não dá para arriscarmos que este ano ou próximo já farão com que a curva suba novamente. Pode não ser uma ascendência tão grande ou tão rápida, mas o mercado mostrou que pode reagir bem aos maus momentos. Mas o mais importante desses números (vendo o copo meio cheio), é que não vivemos uma crise e não teremos uma bolha. Isso é certo. Opiniões e ações conjuntas de todos os players sejam eles incorporadores, construtores, investidores, vendedores, bancos ou, claro, compradores.

Vamos aqui assumir uma posição, um compromisso: os portais do Grupo SP Imóvel acreditam que os bons ventos estão, sim, começando a soprar e vamos passar por esses momentos mais fortalecidos e com expectativas de bons negócios em um futuro próximo. É nossa análise e o nosso desejo.




Fonte:
ZN Imóvel
O Portal de Imóvel da Zona Norte de São Paulo
www.znimovel.com.br/
Equipe de Jornalismo
Grupo de Portais Imobiliários
SP Imóvel
< Post Anterior
1º Feirão de Imóveis da RG Negócios
Próximo Post >
Valorização, sim